Vitrine Esportiva

O Futebol Amador e suas Peculiaridades – Parte II

Celeiro de Craques após a vitória posando descontraídos.
Créditos: Marcio Miceli de Oliveira/VitrineEsportiva.com

Sexta-feira, 07 de agosto de 2020. A temperatura está em elevação no campo do Centro Tecnológico do Corpo de Fuzileiros Navais e se aproxima dos 30 graus. E é lá que mais uma vez a história se repete. Em menor número, mas nem por isso menos empolgante, a equipe do Celeiro de Craques se reúne novamente com a Comissão Técnica para uma breve preleção antes do jogo, enquanto, em paralelo, no mesmo local, acontece uma partida entre outras duas equipes amadoras.

Desta vez comandados pelo Professor Mazinho, o mais novo integrante desta “família” chamada Celeiro. A partida tem início às 10h30 e, desta vez, é disputada em dois tempos de 40 minutos. Novamente diante da equipe da Associação Atlética Cerejeiras, só que agora medindo forças com o time principal, do CEO Wanderli Santos.

Dentro de campo a partida começa mais equilibrada. No início do primeiro tempo a Associação Atlética Cerejeiras começa dominando as ações do jogo. Ao menos territorialmente. Porém são poucas as chances de gol criadas pela equipe verde. Aos poucos o time do Celeiro de Craques retoma o domínio da partida até o meia atacante Miguel arriscar um chute colocado da intermediária e marcar um gol de muita categoria. Celeiros 1 x 0 Cerejeiras. Após a marcação do gol a equipe do CEO Alexandre Oliveira continua sobrando diante de seu adversário e desperdiça inúmeras outras oportunidades. Mais uma vez o preciosimo se faz presente na equipe azul marinha e o placar, após o intervalo, só não é maior por conta das chances perdidas.

Após um breve descanso de dez minutos para uma rápida conversa e hidratação dos atletas, a partida é retomada e o panorama pouco se modifica. Celeiro de Craques comandando as ações do jogo, perdendo inúmeros gols e a Associação Atlética Cerejeiras se defendendo como pode. Nos últimos dez, quinze minutos do segundo tempo, porém, o jogo muda de “figura”. Acometidos pelo cansaço, o Celeiro para de apostar em contra ataques e começa a se entrincheirar lá atrás, cedendo campo ao Cerejeiras, que parte para o “abafa” e cria algumas chances de gol, sendo duas muito claras, que só não terminam com a bola na rede porque o goleiro Thuann intervém muito bem. As defesas milagrosas do ótimo goleiro garantem o placar final do jogo e, mais uma vez, o Celeiro de Craques conquista a vitória pelo magro placar de 1 x 0.

Às 12 horas, no exato momento em que a partida é encerrada, o sol brilha forte em Parada de Lucas. Passa dos 30 graus. Enquanto os jogadores, suados e cansados, comemoram mais um triunfo em cima do rival e posam para a fotografia descontraídos, o pensamento deles vai longe. De que “O Dia” deles “Um Dia” vai chegar. E que enquanto o Astro Rei existir e iluminar os caminhos de cada um, sempre haverão boas possibilidades. Assim já dizia um trecho da canção de sucesso Enquanto Houver Sol, lançada em 2003, e que ficou entre as dez mais tocadas nas rádios no ano de 2004.  Música da banda de rock nacional Titãs, surgida em 1981 e que até hoje faz sucesso: “A sós ninguém está sozinho. É caminhando que se faz o caminho. Quando não houver esperança. Quando não restar nem ilusão. Ainda há de haver esperança. Enquanto houver sol. Enquanto houver sol. Ainda haverá.”

Declaração treinador Mazinho, após a vitória do Celeiro de Craques.

Outras Notícias

Tudo igual na Arena da Baixada!

Uma bela partida de jogo de ida na semifinal da Copa do Brasil. Em partida realizada no Paraná, o Flamengo empatou com

Botafogo vence em casa por 3 a 0

Depois do empate dramático contra o Cruzeiro, o Botafogo voltou a jogar na noite desta quarta-feira, no Nilton Santos, contra o Brusque,