Volta Redonda e Criciúma empatam pela décima quarta rodada da Série C Em jogo com pouquíssimas emoções aurinegros carioca e catarinense não saem do 0 a 0

Volta Redonda e Criciúma respeitam um minuto de silêncio antes da partida. Créditos: Marcio Miceli de Oliveira

Em partida válida pela décima quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série C, no estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, Volta Redonda e Criciúma fizeram um jogo pobre tecnicamente, com raríssimas chances de gol de parte a parte, e pouco modificaram suas posições na tabela de classificação do Grupo B. A equipe catarinense manteve a sexta posição no grupo, com 17 pontos – 4 vitórias, 5 empates e 5 derrotas – a 4 pontos atrás da zona de classificação, e o Volta Redonda manteve a oitava colocação, com 14 pontos – 3 vitórias, 6 empates e 5 derrotas – e a 6 pontos da zona de classificação. Na próxima rodada o Criciúma recebe a equipe do Ituano, no estádio Heriberto Hulse, às 18hs do dia 14/11. Já o Volta Redonda visita o time do Ypiranga, vice-líder do grupo, no mesmo dia, só que às 15h30, no Colosso da Lagoa, em Erechim, Rio Grande do Sul.

O que falar da partida? Pouca coisa. Empenho não faltou. Muita correria, principalmente no segundo tempo, com as equipes se lançando mais ao ataque em busca do possível gol da vitória. Até foram marcados, com o Criciúma no final do primeiro tempo e o Volta Redonda na segunda etapa, porém ambos acabaram invalidados pela arbitragem por conta de impedimentos. Aliás, isso não faltou na Ilha do Governador. Muitos impedimentos foram marcados, possível número recorde. E o placar, que poderia ter terminado 1 x 1, acabou em branco. Outra coisa que sobrou no jogo foi incentivo por parte de ambas comissões técnicas. Como as partidas não estão tendo público devido a pandemia de Covid-19, os jogadores acabam ouvindo tudo dentro de campo, inclusive suas próprias cobranças, e os ânimos costumam ficar mais exaltados. Mesmo assim nenhuma jogada mais ríspida aconteceu.

Apesar das reclamações de ambas equipes, apenas quatro cartões amarelos foram distribuídos pelo árbitro, que não costumava parar os lances por qualquer falta cometida. Fazia o estilo de Leandro Pedro Vuaden, um dos mais conceituados árbitros gaúchos, que deixa a partida correr, aplicando vantagens e paralisando pouco o jogo. Mesmo assim Volta Redonda e Criciúma não souberam aproveitar a maior posse de bola da qual tiveram direito e ao longo dos 90 minutos o panorama pouco mudou. Após o resultado final, a equipe da região do Vale do Aço, único representante fluminense na competição, tem uma missão difícil pela frente nos últimos quatro jogos da fase de classificação. Enfrenta três equipes que estão nas quatro primeiras colocações do Grupo B e apenas uma que está abaixo dele e precisa de, pelo menos, mais duas vitórias para buscar a classificação.

mm

Repórter: Marcio Miceli

Jornalista

mm

marcio-micelli

Jornalista

Leave a Comment