Fluminense derrota Bahia por 1 x 0 e assume a quinta posição do Brasileirão Em duelo de tricolores no Maracanã, melhor para o Carioca que vence com gol de Nenê

Com a torcida ainda impedida de ir aos estádios bandeiras tricolores enfeitam a arquibancada do Maracanã – Créditos: Marcio Miceli de Oliveira

O tricolor das Laranjeiras e o tricolor da Boa Terra ficaram frente a frente hoje, em duelo válido pela décima quinta rodada do Campeonato Brasileiro, às 16hs, no Maracanã, pelo horário de Brasília. Vindo de vitórias no meio de semana e comandados por treinadores da Região Sul do Brasil, com o gaúcho Mano Menezes e o catarinense Odair Hellmann, Fluminense e Bahia demonstraram, dentro de campo, o estilo de futebol sulista, de muita marcação e pouca criação. Muito concentrado no meio-de-campo e com raríssimas chances de gol de parte a parte, o time da casa tinha um pouco mais de iniciativa no jogo e conseguiu criar apenas três chances de gol, porém, apenas em uma o goleiro baiano Douglas precisou trabalhar, espalmando uma bola para corner após deixada de Fred para o chute de Nenê. Vale ressaltar que, em um cruzamento para a área do Bahia, o jogador tricolor cabeceou uma bola que bateu no braço do zagueiro baiano e os jogadores tricolores pediram pênalti. O lance, porém, foi ignorado pela arbitragem e sequer analisado pelo VAR. Já o Bahia criou apenas uma chance, com o artilheiro Gilberto, que recebeu uma bola livre na entrada da área e arriscou um chute para fora, que passou próximo a trave de Muriel.

Na volta para a segunda etapa, o Fluminense, apesar de não ter efetuado nenhuma substituição, voltou mais insinuante. Tanto que, logo no início, o atacante peruano Fernando Pacheco recebeu uma bola pela direita, e em jogada individual, deu uma arrancada, chutou forte, cruzado, tirando do goleiro Douglas, porém, a bola caprichosamente bateu na trave e voltou para as mãos do arqueiro. Logo depois, novamente Pacheco, em outra jogada individual, só que desta vez pela esquerda, chutou novamente e a bola bateu na zaga baiana. De tanto insistir, Nenê recebeu um passe pela esquerda, invadiu a grande área, e foi derrubado pelo volante do Bahia. Inicialmente o juiz não marcou nada, a jogada prosseguiu e o Fluminense conseguiu um escanteio pela esquerda. Na sequência, porém, o árbitro da partida foi chamado pelo VAR, reviu as imagens algumas vezes e acabou sinalizando pênalti a favor do tricolor. Nenê partiu para a bola e, com a categoria de sempre, bateu no canto direito, abrindo o placar para a equipe das Laranjeiras: Fluminense 1 x 0 Bahia. Foi o sétimo gol dele no Campeonato Brasileiro e o décimo nono em 2020, transformando-o no segundo jogador com mais gols no ano.

Minutos após o gol, o treinador Odair Hellmann, com o objetivo de jogar nos contra-ataques, já que o Bahia partiria para cima em busca do empate, substituiu a dupla de atacantes Fred e Fernando Pacheco, que estava cansada, por Caio Paulista e Felippe Cardoso, para ganhar em velocidade, porém as alterações surtiram pouco efeito. Principalmente depois que o treinador do Flu substituiu Nenê pelo atacante Luiz Henrique, perdendo a ligação do meio-de-campo com o ataque. Só com volantes e atacantes, o time da casa ficou sem o contra ataque e àquela altura, o time do Bahia, que já havia realizado as cinco alterações, sufocava o time do Fluminense. É bem verdade que este domínio era mais territorial, de posse de bola, do que em chances efetivas de gol. De qualquer forma, o tricolor da Boa Terra buscava incessantemente o empate alçando bolas para a área e em jogadas como faltas e escanteios. Até uma das principais características do time treinado por Odair Hellmann, que é a troca de passes entre os jogadores, ficou prejudicada. Isto porque, ao invés de gastar o tempo e tocar a bola, o tricolor rifava a redonda e devolvia a posse da mesma aos jogadores baianos, que não souberam aproveitar o domínio territorial.

Para compensar as diversas paralisações na partida, como contusão de jogadores, substituições e o tempo perdido com o VAR durante a marcação do pênalti para o Fluminense, a arbitragem concedeu sete minutos de acréscimo e só aí é que o tricolor das Laranjeiras conseguiu segurar mais a bola até o apito final do juiz. Fim de jogo: Fluminense 1 x 0 Bahia e o quinto lugar na tabela do Brasileirão garantido. Nos últimos 4 jogos da equipe carioca, em doze pontos disputados, dez foram conquistados, garantindo a manutenção no G-6. O Fluminense agora tem uma parada duríssima na próxima rodada da competição. Nada mais nada menos que o líder do Campeonato, Atlético Mineiro. A partida será disputada na próxima quarta-feira, às 21h30, no Mineirão. Já o Bahia, na décima sexta rodada da competição, visita o lanterna Goiás, na próxima sexta-feira, dia 16/10, às 20hs, pelo horário de Brasília, no Hailê Pinheiro, em Goiânia. Vale ressaltar um destaque negativo durante o jogo. O treinador Mano Menezes, nervoso com as marcações da arbitragem, desrespeitou muito o juiz no decorrer da partida e, principalmente, no final do jogo, chamando o árbitro de “vagabundo”. Além disso se recusou a cumprimentar o treinador Odair Hellmann, em um claríssimo sinal de falta de educação e fair-play.

Detalhe do belo placar eletrônico do Maracanã – Créditos: Marcio Miceli de Oliveira

 

mm

Repórter: Marcio Miceli

Jornalista

mm

marcio-micelli

Jornalista

Leave a Comment